domingo, 20 de julho de 2008

Marcel e eu somos amigos de longa data, se considerarmos nossas idades e experiências vividas, e por felicidade moramos próximos e dividimos idéias próximas também. Há algum tempo tínhamos planos de iniciar alguma atividade que movimentasse um lado mais cultural dos moradores dessa região. E agora, iniciamos com estas fotos esse projeto de resgate cultural de pessoas e locais, partindo da idéia de que é preciso o recorte do olhar, a valorização do simples, do cotidiano para revelar belezas que muitas vezes passam despercebidas...
Foi uma tarde de sábado especialmente suave, era a segunda vez que pisávamos lá, mas nesta ocasião munidos de máquina fotográfica e de uma vontade de registro no peito... Contamos então com a coincidência de presenças infantis alegres, que deram um sabor especial ao nosso ensaio fotográfico. Não foi preciso muito, e a empolgação e o deslumbre foram tomando conta de nós... Os passos distribuídos desde a entrada, com a vista panôramica e o mistério, até os que exploraram aquele chão de barro e folhas secas, nos conduziram por todo aquele universo "da casinha que para nós, tornou-se encantada"...

sábado, 19 de julho de 2008

Um passado entre nós


Antiga caixa d'água do casarão que descobrimos na João Antonio de Medeiros, conhecida também como Progresso ou rua do Charles de Gaulle. É lá que vamos transportar as pessoas que quiserem a um mundo que volta laaaaá no passado, quando nem se quer hávia o bairro em si, estava só em esboço, em gestação.

Vamos entrar por esta porta azul e voar sobres os campos com olhar de espanto, estou indo pro céu, vamos? segure minha mão

Um mundo mágico

Feche os olhos, agora imagine abrir a janela do seu quarto e então se deparar com belas árvores, com aquele cheiro de brisa fresca, de flores se abrindo, de coloridos pássaros voando livres..... o sol brilha lá no céu e ilumina a mobília de jacarandá. Neste lugar não há o ruído de carros , nem motos, nem funk carioca, só o soar da natureza, tranquilo, onde você pode relaxar ao lado de quem você gosta, talvez de quem você ama.

Agora abra os olhos, saia da sua casa e vá até esse casarão onde existe esta janela, há mais de 50 anos elas esta lá para ser aberta, respire esse raro ar puro que não quase já não temos mais por ai.


É um lugar abandonado, caindo aos pedaços, mas quem já teve a oportunidade de refinar o olhar
pode ver que entre as ruínas do casarão (no caso, nos fundos dela aqui) existe vida, existe quem de valor a este pedaço de natureza que sobreviveu a ação humana... olha o Julio Cesar ai....
... seu irmão Hugo aqui, rolando com os alguns dos 20 cachorros que correm contentes por lá. Olha que briho no olhar, crianças doces que vivem entre o que há de melhor nesse mundo... não é o luxo, nem o dinheiro, nem bolsas de 50 mil reais... é natureza, é o homem em seu seio, como num passado remoto quando vivíamos rodeado dela.
Quando o homem resolveu se libertar da natureza e criar seu mundo de artífice, artificial? Quando ele achou que era melhor que todos os seres deste plante, que as plantas, os animais, os insetos.... pobre dele! toda sua inteligência não é melhor que vôo de uma mosca.


Foto do porão da casa, muito sombrio, mas um lugar interessantíssimo.
Julio Cesar, Paulo e Hugo, quem é mais adorável..... bela simbiose entre todos nessa foto.











Paloma, a pomba que voa pelo bairro afim de captar essas imagens. Seu olhar deslumbrado corre atravéz da arcaica janela em direção à magnífica paisagem re-encontrada.



Eu, Marcel, voltando meu olhar à lente depois de ter me nostalgiado com a natureza além janela. Outro que busca trazer as imagens do bairro ao leste.






Finalmente, ai está a entrada da chácara. Você já se defronta com essa imponência de majestosa simplicidade. Repare no teto e varanda típicos da arquitetra colonial paulista, tudo isso emoldurado entre duas gigantescas palmeira imperiais. Olhe o verde que rodeia essa residência, deve ter sido difícil morar ai não é mesmo?
Temos que lutar para sua preservação, para que restaure-na e nos entregue como um espaço público onde todos possam desfrutar desse retorno ao passado de nosso bairro, da cidade. Esse lugar encantador devera se tornar um parque onde todos os moradores daqui possem desfrutar a tranquilidade de uma tarde de por do sol como esta da foto; possamos fazer piquenique com os amigos; um lugar onde as crianças possam correr e crescer em meio a belas árvores, sem perigo de serem atropeladas, um espaço bucólico para dar uma caminhada a sós consigo mesmo e colocar as idéias no lugar.

Vejam ai um pequeno registro audiovisual da chácara

video

olhar bucólico